Doutrina Espírita, Dúvidas dos leitores

Dúvidas dos leitores – Qual a diferença entre Anjos da Guarda e Espíritos Protetores?

0 5543

Nós nunca estamos sós, há sempre um amigo ao nosso lado. Todos temos um anjo da guarda, que está ligado a nós desde o nosso nascimento até o nosso desencarne e muitas vezes, continua a auxiliar-nos, no plano espiritual e até mesmo em outras reencarnações.

O anjo da guarda é um espírito protetor de uma ordem elevada.

Estes espíritos têm por missão auxiliar o seu protegido durante a vida corpórea, ajudando-o a progredir, conduzindo-o pelo bom caminho, com os seus conselhos, consolá-lo nas suas aflições e sustentar sua coragem nas provas da vida.

Poderíamos perguntar:

Se todos nós temos um anjo da guarda, que vela por nós e nos conduz no caminho do bem, como ainda fazemos tantas coisas erradas?

Será que eles nos abandonam, ou será que não são tão eficazes quanto pensamos?

Nem uma coisa, nem a outra.

Todos nós temos nosso livre-arbítrio, por meio do qual podemos escolher a maneira de como caminhar pela Terra.

Desta forma, os nossos erros são frutos de nossas próprias ações, ou seja, nós é que nos afastamos do caminho do bem, fechamos os nossos ouvidos aos bons conselhos de quem vela por nós e escolhemos, mesmo que “inconscientemente”, nos aproximar do caminho inverso, mantendo verdadeira sintonia com os espíritos inferiores, encarnados ou desencarnados, de quem receberemos as más influências.

Ora, se Deus, que é o nosso criador, não influi em nosso livre-arbítrio, nossos anjos guardiões, por mais evoluídos que sejam, também não influem, porém eles nunca nos abandonam, mesmo quando nos mostramos rebeldes às suas advertências.

Santo Agostinho, a este respeito, faz uma maravilhosa consideração:

“…Sim, por onde quer que estiverdes, vosso anjo estará convosco: nos cárceres, nos hospitais,

nos antros  dos  vícios, na solidão, nada vos separa desse amigo que não podeis ver, mas do qual vossa alma recebe os mais doces impulsos e ouve os mais sábios conselhos”.

Podem, porém, afastar-se quando vêem que seus conselhos são inúteis e que é mais forte a vontade de seu protegido em submeter-se à influência dos espíritos inferiores, porém, conforme já foi dito, eles nunca nos abandonam, estão sempre dispostos a nos auxiliar assim que forem chamados.

Destaca-se que, apesar de nunca nos abandonar, isto não significa que nossos anjos da guarda estejam 24 (vinte e quatro) horas do dia ao nosso lado, pois eles são espíritos que têm suas vidas estruturadas no plano espiritual, tendo, pois, outros afazeres, como estudos, cursos etc e existem circunstâncias em que a sua presença não se faz necessária ao lado de seu protegido.

Por outro lado, vale destacar que, se nossos anjos da guarda agissem de maneira ostensiva, influindo em nosso livre-arbítrio, nós não estaríamos agindo por nós mesmos, e conseqüentemente, nossos espíritos não progrediriam.

Para que possamos progredir é necessário que nós vivamos as experiências, exercitando as nossas próprias forças, adquirindo consciência e responsabilidade pelos nossos atos.

Assim, a ação de nossos anjos guardiões é oculta, eles estão sempre prestes a nos ajudar, porém depende de nós aceitar ou não a sua ajuda.

Nunca, pois, nos esqueçamos de nossos anjos de guarda, pois eles são, nos dizeres de Santo Agostinho, os amigos mais firmes e mais devotados que as mais íntimas ligações que se possam contrair na Terra.

Além do anjo guardião, que são espíritos protetores de ordem elevada, existem outros espíritos que também protegem-nos, porém,  de uma forma mais restrita, são os espíritos protetores propriamente dito.

São, via de regra, de ordem menos elevada que os anjos guardiões, porém não menos bons e benevolentes.

Para um espírito ser um protetor, é necessário que ele possua um certo grau de elevação, um poder e uma virtude a mais, concedidos por Deus.

São sempre superiores aos seus protegidos e da mesma forma que os guardiões, têm por missão auxiliar-nos durante a vida terrena.

Estes espíritos, durante a sua missão, podem ser assistidos por outros de ordem mais elevada.

Existem também os espíritos familiares, que muitas vezes são nossos auxiliadores, durante a vida terrena. Podem possuir um certo grau de evolução e ser nosso espírito protetor, ou serem menos adiantados, tendo a mesma evolução que a nossa ou um pouco mais superior, sendo pois nossos auxiliares.

Um fator importante é que para um espírito ser nosso auxiliar, é necessário que sempre seja superior ou ter o mesmo grau de evolução que o seu auxiliado, pois se não o for, não terá discernimento para o ajudar.

Assim, um espírito, mesmo que seja nosso familiar, ou amigo, caso for inferior a nós, não poderá, por si mesmo, nos ajudar, pois mesmo que possua boa vontade, não possuiu capacidade para tanto.

Poderá, todavia, solicitar a espíritos superiores a ele, que interceda em nosso favor.

Há, também, espíritos simpáticos a nós. Porém, estes podem ser bons ou maus. São simpáticos, porque ligam-se a nós por afeições, semelhanças, gostos, e sentimentos comuns.

Todavia, conforme foi dito, se nossos atos forem bons, atrairemos espíritos simpáticos bons, caso contrário, ruins. Tudo dependerá de nossas atitudes.

Um outro fator interessante, é a existência de espíritos protetores, ligados não apenas às pessoas, mas a uma profissão, uma comunidade,uma estrada, uma cidade, um país e até mesmo a um planeta.

Assim, além da assistência que recebemos diretamente de nosso anjo guardião ou de nossos protetores, também podemos ter, esporadicamente,  a assistência de espíritos ligados, por exemplo, à nossa profissão, para que possamos desempenhá-la com êxito, com firmeza, e no caminho do bem.

No campo das profissões, destaca-se o auxílio que é dado aos médicos e cientistas, a fim de que eles possam fazer um diagnóstico com maior exatidão, outras vezes, aplicar o remédio mais eficiente a determinada moléstia e até mesmo, no campo das pesquisas, onde recebem a devida proteção, a fim de encontrarem o medicamento,  até então desconhecido, na Terra, para determinadas doenças.

Pelo pouco que foi discorrido sobre o assunto, podemos concluir que existem espíritos que nos auxiliam,  em diversas escalas evolutivas:

Anjo de guarda – que são espíritos protetores de ordem elevada;

Espíritos protetores em sentido estrito;

Espíritos familiares;

Espíritos simpáticos, no bem ;

Espíritos ligados a determinadas profissões etc.

Portanto, nós nunca estamos sós…  há sempre um amigo ao nosso lado.

 

Bibliografia:

 

O Livro dos Espíritos;

O Evangelho Segundo o Espiritismo;

Rodrigues, Antônio F. – Como vivem os Espíritos;

Luiz, André – Os Mensageiros;

Luiz, André – Os Missionários da Luz

Luiz, André – Nosso Lar.

 

Fonte: texto extraído do site http://www.outroladohomepage.com.br/Ev_anjos.html

 

Compartilhe
  • 4
    Shares

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

÷ 1 = 2

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Temas das Publicações