Chico Xavier, Histórias

História – O vigoroso ateu que caçara leões e tigres

0 780

Para que discutir?

Mário Altamirando, ao lado de Vitoriano Siqueira, ouvia admirado os conceitos de Melásio Batista.
O homem parecia inflamado de cóleras sagradas contra a religião.

Batista era familiar de Siqueira, e Mário, recentemente chegado ao conhecimento espírita, assombrava-se ao vê-lo assim passivo ante a agressão moral do parente.

– Tudo não passa de mistificações – clamava Batista, sarcástico -, não se salva ninguém. Por último, apareceu a chamada Doutrina Espírita. Conjunção de beócios e exploradores. Embusteiros tomam nome de médiuns e impressionam tolos de toda parte.

E com gesticulação peculiar a muitos caçadores, fazia chiste:

– “Apóstolos”, imaginem! Deve ser o mesmo que dizer espertalhões que andam “após… tolos”. Mas vocês estejam certos de que a ciência, dentro em breve, fará a liquidação de Deus. A reencarnação também é balela. Já estive caçando leões na África, já fui perseguido por tigres na Índia, já fui estudar de perto o gigantesco trabalho da civilização, tanto na América do Norte, quanto na antiga Rússia, já estive na maior altura em balão e já desci à profundeza do Pacífico, junto de pescadores japoneses, e posso afirmar a vocês que a religião será museu da Humanidade.

Batista falou, falou…

Vendo que Siqueira não reagia, Mário aquietou-se. Contudo, após a despedida, quando viajavam para a cidade próxima, rumo a grande concentração espírita, interpelou o amigo quanto ao silêncio a que se recolhera.

Não teria sido oportuna uma reação construtiva?

Batista dissera absurdos!

Mas Siqueira apenas respondeu:

– Ora, ora, para que discutir?

E, sorrindo, acrescentou:

– Batista vai desencarnar como nós mesmos. A morte é lição para todos. A verdade brilhará para ele, sem necessidade de irritação para nós. Há tempo de esperar e tempo de conhecer…

Ambos os amigos demoraram-se oito dias fora do burgo em que Batista vivia em elegante casa rural, e, com surpresa, na volta, encontraram-no agonizante…

E o vigoroso ateu que caçara leões e tigres, que conhecia os mais remotos países do Globo, escalando alturas e mergulhando no oceano, morreu, vitimado por gangrena, depois da instalação de um “bicho-de-pé”…

Fonte: extraído do livro “Almas em Desfile” de Francisco Cândido Xavier, pelo espírito Hilário Silva. Federação Espírita Brasileira.

Compartilhe

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

÷ 6 = 1

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

RECEBA NOVOS TEXTOS POR E-MAIL

Quinzenalmente, enviamos um e-mail com os novos textos do site. Participe!

Temas das Publicações