• Reforma Íntima, Relacionamentos

    Como vai seu casamento?

    Raros casais sabem que o lar é instituição essencialmente divina e que se deve viver, dentro dele, com todo o coração e com toda a alma. Na atual fase evolutiva do planeta, existem na esfera carnal raríssimas uniões de almas gêmeas, reduzidos matrimônios de almas irmãs ou afins, e esmagadora porcentagem de ligações de resgate. O maior número de casais humanos é constituído de verdadeiros forçados, sob “algemas”. Enquanto atravessam a florida região do namoro e do noivado, procuram-se mobilizando os máximos recursos do espírito, e daí o dizer-se que “o amor é lindo”. O assunto mais trivial assume singular encanto. Mas logo que recebem a bênção nupcial, a maioria atravessa os véus do desejo e cai nos braços dos velhos monstros que tiranizam corações: o ciúme, o egoísmo, a competitividade, a vaidade, o orgulho. E apaga-se a beleza luminosa do amor, quando os cônjuges perdem a camaradagem e o gosto de conversar. Daí em diante, os mais educados respeitam-se; os mais rudes mal se suportam. Por mais que se unam os corpos, vivem as mentes separadas, operando em rumos opostos. (trecho do diálogo entre André Luiz e D. Laura – extraído do livro NOSSO LAR)

  • Benevolência, Caridade

    A afabilidade e a doçura

    O mundo está cheio de criaturas que têm nos lábios o sorriso e no coração o veneno, cuja língua, de ouro quando falam pela frente, se muda em dardo peçonhento, quando estão por detrás. A estes lembramos que a Deus ninguém engana. Não basta que dos lábios manem leite e mel. Se o coração de modo algum lhes está associado, só há hipocrisia. Aquele cuja afabilidade e doçura não são fingidas nunca se desmente: é o mesmo, tanto em sociedade, como na intimidade.

  • Aborto, Aos que Sofrem

    União da alma com o corpo, mortes prematuras e aborto

    Em que momento a alma se une ao corpo? Que acontece ao Espírito, se o corpo que ele escolheu morre antes de nascer? Qual pode ser a utilidade dessas mortes prematuras? Que utilidade pode ter para um espírito a sua encarnação num corpo que morre poucos dias depois de nascer? O Espírito, uma vez unido ao corpo da criança, e não podendo mais retroceder, lamenta algumas vezes a escolha feita? A união do Espírito com o corpo não estando completa e definitivamente consumada, senão depois do nascimento, pode considerar-se o feto como tendo uma alma? Quais são, para o Espírito, as conseqüências do aborto?

  • A Morte, Aos que Sofrem

    Histórias do Umbral – Mendigos da alma

    A riqueza conquistada de forma espúria tem sérias conseqüências do outro lado da vida. Vassalos intransigentes do egoísmo, ao invés de crerem na vida e no trabalho digno, admitem somente o nada, a imobilidade e o triunfo a qualquer preço. Acreditam que as mercadorias terrestres têm o mesmo valor nos planos do Espírito. Supõem que o prazer criminoso, o poder do dinheiro, o descumprimento da lei e a imposição dos caprichos atravessarão as fronteiras do túmulo. Agem como negociantes imprevidentes. Esquecem de trocar as posses materiais em créditos espirituais. E nem mesmo com a certeza matemática da morte carnal se animam a adquirir os valores da espiritualidade. Ao desencarnar, então, não lhes resta outra sorte: os milionários das sensações físicas são transformados em mendigos da alma. No capítulo 27 de NOSSO LAR, André Luiz nos conta sua experiência como auxiliar do serviço de resgate dessas almas fadadas a dormirem longos anos, em pesadelos sinistros. Assista também trailler do filme “NOSSO LAR” que entra em cartaz em setembro de 2010.

  • Reforma Íntima, Relacionamentos

    O amor que une

    No amor não é preciso viver como se tivéssemos num “torneio”, tentando medir forças ou exibir a importância de nosso valor por meio de imposições, discussões e disputas diárias. Quando amamos alguém, o melhor a fazer é mostrar-lhe nossa “visão do mundo”. No entanto, devemos dar-lhe o direito de aceitar ou de recusar nossas idéias e pensamentos, sem causar-lhe nenhum constrangimento, nem utilizar expressões de subordinação. No que diz respeito a laços afetivos, por mais envolvimento que haja em termos de simpatia, ternura, anseio, a dinâmica que nos manterá unidos a outra pessoa será invariavelmente o respeito mútuo.

  • Amadurecimento, Reforma Íntima

    Vencendo o orgulho e a cólera

    O orgulho vos leva a vos julgardes mais do que sois, a não aceitar uma comparação que vos possa rebaixar, e a vos considerardes, ao contrário, de tal maneira acima de vossos irmãos, seja na finura de espírito, seja no tocante à posição social, seja ainda em relação às vantagens pessoais, que o menor paralelo vos irrita e vos fere. E o que acontece, então?

  • Aos que Sofrem, Raiva

    A Lei do progresso

    Segundo a idéia muito falsa de que não se pode reformar a própria natureza, o homem se julga dispensado de fazer esforços para se corrigir dos defeitos em que se compraz voluntariamente, ou que para isso exigiriam muita perseverança. É assim, por exemplo, que o homem inclinado à cólera se desculpa quase sempre com o seu temperamento.

  • Aos que Sofrem, Relações Conflituosas

    A fábula do porco-espinho

    Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.
    Por isso decidiram se afastar uns dos outros e voltaram a morrer congelados, então precisavam fazer uma escolha: Ou desapareceriam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros…

RECEBA TEXTOS POR E-MAIL

Todos os Temas

Ajude-nos a divulgar nosso trabalho