Caridade, Mensagens dos Espíritos

Caridade: quando o muito é pouco e o pouco é tudo

4 178

Meus caros amigos, cada dia ouço dizerem entre vós: “Sou pobre, não posso fazer a caridade”. E cada dia, vejo que faltais com a indulgência para com os vossos semelhantes. Não lhes perdoais coisa alguma, e vos arvorais em juízes demasiados severos, sem vos perguntar se gostaríeis que fizessem o mesmo a vosso respeito. A indulgência não é também caridade? Vós, que não podeis fazer mais do que a caridade-indulgência, fazei pelo menos essa, mas fazei-a com grandeza. Pelo que respeita à caridade material, quero contar-vos uma história do outro mundo.

Dois homens acabavam de morrer. Deus havia dito:

– Enquanto esses dois homens viverem, serão postas as suas boas ações num saco para cada um, e quando morrerem, serão pesados esses sacos.

Quando ambos chegaram à sua última hora, Deus mandou que lhe levantassem os dois sacos. Um estava cheio, volumoso, estufado, e retinia o metal dentro dele. O outro era tão pequeno e fino, que se viam através do pano as poucas moedas que continha. Cada um dos homens reconheceu o que lhe pertencia:

– Eis o meu, – disse o primeiro – eu o conheço; fui rico e distribuí bastante!
O outro disse:

– Eis o meu. Fui sempre pobre, ah! Não tinha quase nada para distribuir.

Mas, é surpresa: postos na balança, o maior tornou-se leve, e o pequeno se fez pesado, tanto que elevou muito o outro prato da balança.

Então, Deus disse ao rico:

– Deste muito, é verdade, mas o fizeste por ostentação, e para ver o teu nome figurando em todos os tempos do orgulho. Além disso, ao dar, não te privaste de nada. Passa à esquerda e fica satisfeito, por te ser contada a esmola como alguma coisa.

Depois, disse ao pobre:

– Deste bem pouco, meu amigo, mas cada uma das moedas que estão na balança representou uma privação para ti. Se não distribuísse a esmola, fizeste a caridade, e o melhor é que a fizeste naturalmente, sem te preocupares de que a levassem a tua conta. Foste indulgente; não julgaste o teu semelhante; pelo contrário, encontraste desculpa para todas as suas ações. Passa à direita, e vai receber a tua recompensa.

Lyon, 1861.

Fonte: extraído do livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec.

Compartilhe
  • 2
    Shares

About the author / 

Editor

4 Comments

  1. Adenilson Lira 8 de maio de 2012 at 1:40 - 

    Ame ao próximo como a ti mesmo. Fazei o bem sem ohar a quem.

  2. HADES 28 de janeiro de 2012 at 19:54 - 

    Todos nós devemos dar e receber nessa vida porque se não déssemos não receberíamos nada, é a lei da causa e efeito se formos bons receberemos solidariedade se formos maus apenas lamentos e desgraças.

  3. vânia 13 de agosto de 2011 at 1:15 - 

    Nascir em uma família humilde e pais analfabetos,mas sempre ouvir o meu pai dizer e fazer : Onde come 1 come 2, onde come 5 come 10. Eu acredito que eles tem sim razão. Deus diz amar o proximo como a si mesmo… ISSO É TUDO QUE PRECISAMOS PARA REFLETIR!!

  4. HELENA NEGREIROS 3 de agosto de 2011 at 14:37 - 

    Esse é um texto muito bom.Quem quer ser bom não precisa se monstra,só precisa agir em paz.

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

90 ÷ 45 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Temas das Publicações