Deus, Fé e Religiosidade

O Sacerdote e o Filho

0 44

Durante muitos anos, um sacerdote brâmane cuidava de uma capela. Quando precisou viajar, pediu a seu filho que se encarregasse das tarefas diárias até o seu retorno. Entre essas tarefas, o menino devia colocar a oferenda de alimento diante da Divindade e observar se Ela comia. O garoto dirigiu-se, animado, até o templo onde o pai trabalhava. Colocou o alimento e ficou aguardando as reações da imagem.

O resto do dia ficou ali. E a estátua permaneceu imóvel. O menino, porém, fiel às instruções de seu pai, estava certo de que a Divindade desceria do altar para receber sua oferenda. Depois de muita espera, ele suplicou:

– Oh, Senhor, vinde e comei! Já é muito tarde, já não posso esperar mais.

Nada aconteceu. Ele então começou a gritar:

– Senhor, meu pai me pediu que eu estivesse aqui quando o Senhor descesse, para aceitar a oferta. Por que não o fazeis? Só comeis a oferenda das mãos de meu pai? O que eu fiz de errado?

E chorou copiosamente por muito tempo. Quando ergueu os olhos e limpou as lágrimas, levou um susto: ali estava a Divindade, alimentando-se com o que lhe tinha sido oferecido.

Alegre, o menino voltou correndo para casa. Qual foi sua surpresa quando um de seus parentes lhe disse:

– O serviço terminou. Onde está a comida?

– Mas o Senhor a comeu – respondeu, surpreso, o menino.

Todos ficaram assombrados:

– O que estás dizendo? Repete, pois não ouvimos bem.

O menino repetiu:

– O Senhor comeu tudo que lhe ofereci.

– Não é possível! – disse um tio.

– Seu pai lhe disse apenas para observar se Ela comia. Todos nós sabemos que esse é um ato meramente simbólico. Você deve ter roubado a comida.

O menino, porém, não mudou sua história, mesmo quando o ameaçaram com uma surra. Desconfiados, os familiares foram até o templo e encontraram a Divindade sentada, sorrindo.

– Um pescador lançou ao rio a sua rede e conseguiu uma boa pesca – disse a Divindade. – Alguns peixes estavam imóveis, sem fazer nenhum esforço para saírem. Outros lutavam desesperadamente, saltando, mas sem conseguir escapar. Só uns poucos eram afortunados em sua luta e conseguiam escapar. Assim como os peixes, três tipos de homens vieram aqui para me trazer oferendas: uns não quiseram conversar comigo, achando que eu não ia responder. Outros tentaram, mas desistiram logo, com medo da decepção. Entretanto, este menino foi até o fim, e Eu, que jogo com a paciência e a perseverança dos homens, terminei por aceitar o que trazia.

Fonte: extraído dos contos de “Paulo Coelho”.

Compartilhe

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

8 × = 56

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Temas das Publicações