Amor, Reforma Íntima

Qual a condição primordial para amarmos?

3 143

A condição primordial para que possamos realmente partilhar o amor é não impedir o outro de crescer como indivíduo distinto de nós. Quando bloqueamos o crescimento de quem amamos, a relação de afetividade fica segmentada por montanhas de frustração e desapontamento.

“A justiça consiste no respeito aos direitos de cada um. (…) O direito estabelecido pelos homens, portanto, não está sempre conforme a justiça. Aliás, ele não regula senão certas relações sociais, enquanto que, na vida particular, há uma imensidade de atos que são unicamente da alçada do tribunal da consciência”. – Livro dos Espíritos, questão 875.

O “respeito aos direitos de cada um”, a que se referem os Guias Espirituais, está fundamentado, acima de tudo, nos bens imortais ou valores íntimos que conquistamos e que nos dão o direito de uso, desfrute e disposição, sem desacatar, afrontar ou impedir, no entanto, o crescimento das pessoas com quem convivemos.

O ultraje e o desrespeito no amor têm como “pano de fundo” certas características psicológicas de indivíduos que negam seus próprios temores, inseguranças e fraquezas e que se compensam utilizando comportamentos autoritários, possessividade e arrogância.

No amor não é preciso viver como se estivéssemos num “torneio”, tentando medir forças ou exibir a importância de nosso valor por meio de imposições, discussões e disputas diárias. O respeito legitima e valoriza o amor, que sempre vem acompanhado de atenção, colaboração, companheirismo e afetuosidade.

Quando amamos alguém, o melhor a fazer é mostrar-lhe nossa “visão de mundo”. No entanto, devemos dar-lhe o direito de aceitar ou de recusar nossas idéias e pensamentos, sem causar-lhe nenhum constrangimento nem utilizar expressões de subordinação.

No que diz respeito a laços afetivos, por mais envolvimento que haja em termos de simpatia, ternura e anseio, a dinâmica que nos manterá unidos a outra pessoa será invariavelmente o respeito mútuo. Se desejarmos conviver bem afetivamente, deveremos nos empenhar na aquisição da sabedoria interior, que é sempre uma tarefa pessoal.

Para atingirmos a plenitude do amor, é necessário nos libertarmos das crises de onipotência, pois somente admitindo nossa vulnerabilidade é que criaremos uma situação favorável para o êxito no amor.

O amor nos põe à disposição o mais frutífero e abençoado dos terrenos para o crescimento interior. Esse “solo fecundo”, quando fertilizado pelo afeto real, nos faz abrir mão da ilusão de possuir toda a verdade, eliminando, em conseqüência, nossas síndromes de inflexibilidade.

Fonte: extraído do livro “Os Prazeres da Alma”, de Francisco do Espírito Santo Neto, ditado pelo Espírito Hammed. Editora Boa Nova.

Compartilhe
  • 1
    Share

About the author / 

Editor

3 Comments

  1. Mariá 25 de janeiro de 2014 at 10:35 - 

    Ótimo artigo.
    Por isso tantos dizem amar, mas na verdade não amam; querem ser”proprietários” do outro, não respeitam suas individualidades, não ficam felizes quando a pessoa cresce.
    E acabam anulando, fazendo este alguém tornar-se triste, desmotivada, pois para viver com um controlador, a apessoa precisa anular-se, e isso nunca valerá a pena. A pessoa sempre deve ter seus valores, e autoestima.
    O amor liberta, amor que aprisiona não é amor.

  2. Maiaaa 21 de outubro de 2010 at 16:46 - 

    Amor… enquanto vivemos. .. vamos esclarecendo a alma. beijocas

  3. Nara 21 de outubro de 2010 at 16:42 - 

    Otimo para esclarecer a alma…

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

× 2 = 14

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba novos conteúdos

Temas das Publicações