Gandhi, Líderes Espirituais

Sinceridade da Minha Vida – por Mahatma Gandhi

0 144

Pensamentos de Gandhi

1 – O desejo sincero e puro do coração é sempre realizado; em minha própria vida tenho sempre verificado a certeza disto.

2 – Divergência de opiniões não deve jamais ser motivo para hostilidade; se assim fosse, eu e minha mulher  seríamos inimigos jurados um do outro.

3 – Os meus sonhos não se resumem a sentimentos balofos; faço o possível para converter em realidade os meus sonhos.

4 – A verdade me é infinitamente mais cara do que o meu título de “Mahatma” – contração de maha (grande) e atma (alma) – que não passa de um simples fardo para mim; o que até agora me salvou da opressão desse título de “Mahatma” é o conhecimento da minha indignidade e do meu nada.

5 – Eu consideraria uma blasfêmia identificar-me com Krishna; faço apenas questão de ser humilde operário e nada mais, a serviço duma grande causa, a qual pode antes ser prejudicada do que auxiliada pela glorificação de seus chefes.

6 – Bem pouco sabe o mundo de quanto a minha chamada grandeza depende das incessantes labutas e dos sofrimentos de silenciosos operários, homens e mulheres, devotados, eficientes e puros.

7 – A maior honra que meus amigos me podem prestar é procurarem realizar em sua vida o ideal pelo que vivo – ou então oporem-me a maior resistência possível, se não tiverem fé no meu ideal.

8 – Estou convencido das minhas próprias limitações – esta convicção é minha força.

9 – Não suspiro pelo martírio; mas, se ele me acontecer, nesse caminho que eu considero meu dever em defesa da Verdade que professo, então eu o terei merecido.

10 – Há muitas coisas de que não podemos escapar, sem mais nem menos, mesmo evitando-as. Este invólucro terrestre em que estou aprisionado é o tormento da minha vida; mas tenho de entender-me com ele, e mesmo aceitá-lo de boa vontade.

11 – Sinto e reconheço plenamente a minha fraqueza; mas a minha fé em Deus e em sua força e seu amor, é inabalável. Eu sou como um pouco de argila nas mãos do oleiro.

12 – A minha roupagem  carnal é tão corruptível como a de todos os meus companheiros humanos; e por isso estou tão sujeito a erros como qualquer um deles.

13 – No meio das humilhações e da chamada derrota duma vida tempestuosa, sou capaz de manter a minha paz, graças à subjacente fé que tenho em Deus, traduzida como Verdade.

14 – A minha vida é um Todo indivisível, e todos os meus atos convergem uns aos outros; e todos eles nascem do insaciável amor que tenho para com toda a humanidade.

15 – Conheço o meu caminho; ele é reto e estreito; é como o gume duma espada. Tenho prazer em andar esse caminho. Choro quando tropeço. Deus diz: “Quem trabalha com esforço não perecerá” – e eu tenho uma fé implícita nesta promessa.

16 – Por isso, embora minha fraqueza me faça cair mil vezes, não perderei a fé, e espero ver a luz, quando a minha carne estiver perfeitamente dominada, como um dia acontecerá.

17 – O meu espírito me impele numa direção, e minha carne me impele em direção contrária. Há uma libertação desse jogo de duas forças; mas essa libertação só pode ser obtida pouco a pouco, através de estágios dolorosos.

18 – Não posso atingir a libertação por uma recusa mecânica de agir, mas tão-somente por uma atividade inteligente despida de qualquer interesse. Esta luta equivale a uma incessante crucificação da carne, até que o espírito seja plenamente liberto.

19 – Passo pelo mundo tateando o meu caminho rumo à luz, no meio das trevas que me cercam. Muitas vezes aberro do caminho e falho nos meus cálculos. Confio somente em Deus, e tenho fé nos homens somente porque tenho fé Deus. Se não tivesse Deus em Quem confiar, seria como Tímon, inimigo da raça humana.

20 – Não me interessa prever o futuro; só me ocupo com o presente; Deus não me deu o controle sobre o momento vindouro.

21 – Nunca nenhum homem finito conhecerá plenamente a Verdade e o Amor, que em si mesmos são infinitos.

22 – Estou satisfeito em realizar as coisas que tenho na minha frente; não me preocupo com o porquê e o para quê das coisas. O bom-senso nos ajuda a perceber que não devemos emaranhar-nos em coisas que não podemos compreender.

Fonte: extraído do livro “Mahatma Gandhi”, de Huberto Rohden. Editora Martin Claret.

Veja mais um pouco sobre Gandhi

object width=”480″ height=”385″>

Compartilhe

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

+ 6 = 12

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba Novos Conteúdos

Temas das Publicações