A reencarnação, Doutrina Espírita

Astrologia e reencarnação

0 28

Os astrólogos actuais podem repartir-se em duas tendências: os racionalistas e os espiritualistas.

Os primeiros praticam a astrologia como um meio de conhecimento imediato dos homens. Empoleirada nas técnicas de investigação psicológica do século XIX e XX (psicanálise etc.), essa astrologia recusa as dimensões espirituais esotéricas. E, em suma, a irmã gémea da “medicina de consertos” ocidental, que só conhece o corpo material. Recusando a existência do corpo esotérico e do corpo astral, essa medicina só vê no homem um conjunto de reacções psicoquímicas. Como a medicina derivada das teorias de Pasteur, a astrologia racionalista ignora a finalidade cósmica do homem.

O astrólogo espiritualista recoloca o homem numa estrutura de espaço e de tempo que esclarece sua finalidade. A astrologia espiritualista ou esotérica é naturalmente reencarnacionista. Seu nível de explicação é muito mais amplo. O tema actual representa apenas uma encarnação, a mais recente, que é a resultante das precedentes… O tema (em particular no momento da morte) chega a dar indicações sobre a próxima encarnação!

Sem ser ela mesma uma religião, a astrologia espiritualista é uma espécie de revelação sobre a organização divina do Cosmos. Assim como a “religião” tem algo a ver com “ligar”, a astrologia espiritualista nos liga ao “projecto divino”. “No começo, Deus criou o céu e a terra”- diz o Génesis. E Deus diz: “Que haja luminárias no firmamento do céu para separar o dia e a noite; que elas sirvam de sinais, tanto para as festas como para os dias e as estações.”

Aí está por que reencarnação e astrologia nunca se opuseram nas civilizações antigas.

Caminhavam lado a lado, com toda a naturalidade, como dois tipos de pesquisas paralelas conduzidas simultaneamente pelos sacerdotes e pelos iniciados. Terão eles, entretanto, feito a síntese entre as duas?

No Oriente, sim. Não se rejeitou a reencarnação, nem a astrologia. Melhor ainda, integrou-se uma à outra, com toda a naturalidade! No Ocidente, um enorme número de tradições esotéricas, que se transmitiam de boca em boca, perderam-se. Ninguém, no Ocidente, parece ter-se preocupado em coordenar astrologia e reencarnação. Ninguém, salvo, talvez, os druidas. Mas estes logo vão desaparecer, sem deixar seus ensinamentos. A consciência das vidas anteriores apaga-se pouco a pouco na Europa, a partir do século VII. A astrologia, em compensação, permanece oficial ainda durante mil anos. Mas ninguém lhe pede que seja “reencamacionista”. O Ocidente esqueceu tudo… Porém, na segunda metade do século XIX, e no início do século XX, corajosamente, pioneiros europeus e americanos reintroduzem no Ocidente esses dois espantalhos, “ilusões diabólicas”, “especulações perigosas”, nascidas de uma “mentalidade pré-científica”.

A ASTROLOGIA INDIANA E TIBETANA

Ao leste do Éden, a Árvore do Conhecimento nem sempre foi sufocada. Nas índias, no Tibete, e em outros países do Extremo-Oriente, a reencarnação faz parte da vida quotidiana, assim como também a astrologia. Os astrólogos indianos, quando estudam um tema, têm sempre presente no espírito a “roda das reencarnações”. Estimam que têm sob os olhos o “momento” da corrida milenar de uma alma. Nas Índias e no Tibete, não se cogita de empreender uma ascese espiritual sem procurar conhecer os erros das vidas precedentes. Essa busca é feita sob a orientação de um mestre, guru, swami, sishi… que guia o adepto no caminho muitas vezes difícil desse conhecimento.

A astrologia está muito naturalmente integrada nesta busca espiritual. Os astrólogos indianos não trabalham apenas na “análise lógica do tema” – utilizam sem qualquer reticência sua mediunidade para ler ali as vidas anteriores. Assim, o astrólogo indiano é, por princípio, um iniciado e um sábio. Sua função é religiosa.

E A LIBERDADE, O QUE SE FAZ DELA?

A Tradição afirma, desde sempre: Astra inclinant, sed non cogunt, isto é: “Os astros influem, mas não obrigam.” Assim, segundo Tomás de Aquino: “Tudo o que existe na superfície deste mundo sublunar está sujeito à influência dos astros – mas o sábio domina os astros.”

Edgar Cayce, inteiramente de acordo com essa óptica, nos diz, textualmente: “A mais forte influência exercida sobre o destino do homem é, em primeiro lugar, a do Sol, depois a dos planetas mais próximos da Terra, ou então dos que são ascendentes na hora do nascimento. Mas é preciso entender aqui que nenhuma ação, de qualquer planeta, nem as fases do Sol, da Lua ou de qualquer corpo celeste é mais forte do que a vontade do homem.”

É, portanto, claro: o sábio domina os astros.

Nenhum astrólogo sério, seja oriental, indiano ou chinês, pensa realmente que sejamos totalmente determinados pelos astros, como se fôssemos fantoches manobrados por alguém.

Só as pessoas que têm noções muito superficiais de astrologia ainda imaginam que ela seja determinista, e que nosso destino estaria organizado de antemão nos seus mínimos detalhes. A “roda das reencarnações”, o samsara dos astrólogos budistas, não é uma fatalidade: os textos sagrados indianos afirmam que é preciso sair dela, para isso utilizando nossa liberdade!

Tomás de Aquino manifestou-se a respeito, de modo magistral, em sua Suma teológica (questão 96, “Da Adivinhação pelos astros”): “Quando um médico – diz ele -, à cabeceira de um doente, faz um diagnóstico a partir de determinados sintomas, e depois faz um prognóstico sobre a evolução da doença, diz-se por acaso que ele faz profecias? É evidente que não! Ele apenas exerce sua profissão de médico.

Assim também o astrólogo: ao ver tal ou tal configuração no céu, deduz dela tal ou tal previsão.” Tanto o médico como o astrólogo deixam, em seu “prognóstico”, uma grande margem para a liberdade do doente (ou nativo). Este último pode, por sua atitude mental, fazer fracassar os prognósticos do médico (ou do astrólogo). Sabe-se de tantos doentes que se deixam morrer, e de tantos outros que ressuscitam pela força de vontade!

Toda astrologia que negue a liberdade seria totalmente débil. Todo aquele que pretende abusar de seu poder em nome dos astros, aterrorizando seu consulente, sacudindo-lhe no nariz um destino implacável (“Está escrito no céu”), não é digno do nome de astrólogo.

Excerto do texto de António Rosa, extraído do livro “Astrologia Cármica, de Dorothée Koechlin de Bizemont

Compartilhe

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

− 1 = 9

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba novos conteúdos

Temas das Publicações