Independência, Reforma Íntima

Aprendendo a pensar por nós mesmos, experimentamos a liberdade

0 41

A criatura independente e que goza de certa autonomia está apta à auto-realização, porque age, pensa, vê e sente por si mesma. Por sinal, quase sempre hostilizamos aqueles que são realmente livres, porque eles abalam nossos conceitos de vida alienada e enfadonha.

O ser liberto se auto-realiza, porque cria e produz a partir do seu plano ou projeto íntimo; conhece e vivencia a atualidade, no próprio tempo e/ou espaço, de tal modo que o âmago é quem sempre guia e orienta, conduz e ilumina a todo o momento.

A pessoa livre é segura, por isso não necessita de inúmeros conselheiros, das crenças impostas, das ideias e ideias dos que se autodenominam porta-vozes do povo. Quando nos deixamos levar pelo “canto da sereia”, perdemos o contato com Deus em nós.

Eis aqui uma maneira de ser livre: não ser escravo da opinião ou julgamento da massa comum, não se iludir com as aparências exteriores ou promessas espetaculares e viver o máximo possível os fatos reais, respeitando o tempo de cada conquista e reconhecendo em cada pessoa o grau evolutivo que lhe é devido.

Todos nós queremos a liberdade. Não obstante, vivemos amarrados e totalmente encarcerados por uma infinidade de ditadores externos e internos.

A liberdade não é alguma coisa que se adquire e que se dê por encerrada. Não é algo que se conquista de uma só vez, e sim uma tarefa permanente, algo que se deve elaborar dia após dia.

Só a possuem pessoas corajosas, as que conseguiram romper os grilhões que, diariamente, a vida em sociedade lança sobre nossas mentes.

Apenas é livre a criatura que não dá ouvidos às vozes da esclerosada opinião social. Precisamos, sim, avaliar, ponderar e julgar o que devemos ou não fazer, de acordo com nossas metas e possibilidades, e não com os pareceres alheios.

Muitos de nós desconhecemos o verdadeiro significado da liberdade, dádiva concedida ao indivíduo de poder exprimir-se, responsavelmente, de acordo com a sua vontade, consciência e natureza.

É bom lembrar que “viver solto” é completamente diferente de “viver livre”.

Diante dos poucos que auxiliam libertar, há uma multidão dos que tendem aprisionar.

Se nós verdadeiramente queremos auxiliar os que amamos a serem livres, concedemos-lhes autonomia e independência tal como preservamos para nós a capacidade de nos autogovernar. No entanto é bom lembrarmos de que somente Deus faz tudo para todos.

Jamais devemos ser conduzidos por padrões estereotipados. É fato alienante estar com a mente cheia de conhecimentos dos outros e não adquiridos por nós. Aprendendo a pensar por nós mesmos, experimentamos a liberdade.

 

Fonte: extraído do livro “La Fontaine e o comportamento humano”, de Francisco do Espírito Santo Neto, pelo espírito Hammed. Editora Boa Nova.

Compartilhe
  • 48
    Shares

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

× 5 = 40

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Temas das Publicações