Paixões humanas, Relacionamentos

Os falsos relacionamentos

0 398

Na falta de designação melhor, chamamos as relações sexo-afetivas de “relacionamentos amorosos”.

Muitos buscam no Espiritismo explicação ou solução para os seus conflitos emocionais.

Muitas pessoas ainda atrelam a sua felicidade a alguém.

Acham que precisam de alguém pra serem felizes.

Isso gera uma constante insatisfação, pois não é possível nos apossarmos dos sentimentos de alguém para preencher nosso próprio vazio existencial.

É assombroso o egoísmo de algumas pessoas.

É o caso de quem vive um relacionamento extraconjugal, mas não quer romper os laços com o cônjuge.

Pode parecer que se trata de amor ou de compaixão.

Se analisarem um pouquinho a si mesmos perceberão que pensam, mesmo, é em si próprios, e o que não querem é diminuir a sua cota de prazeres e atenção.

Ou então a pessoa para quem nenhum relacionamento dá certo, e culpam a Deus, à Vida, ao “carma”.

Perguntam, revoltadas, se estão aqui só pra “pagar”, e por que Deus não as deixa ser felizes.

Não se deram ao trabalho de se perguntarem por que ninguém fica mais tempo com elas.

Será que todo mundo está errado e só elas estão certas?

Será que não estão exigindo demais?

Noutros casos, as pessoas se debatem durante anos em dolorosos conflitos sobre a própria orientação sexual, cheias de culpas e dúvidas.

Casos complexos demais, originados de desajustes iniciados em outras existências, que exigem muito mais do que conselho ou consolo.

Ou aqueles que não se sentem amados, ou que deixaram de amar, ou que traíram e não se perdoam, ou que descobriram a traição do parceiro e insistem na continuidade da relação abaixo de dificuldades.

Das pessoas que se dirigem a mim por causa desses assuntos, uns poucos se animam a comentar no próprio site.

Outros, mais reservados, me contatam por e-mail.

A busca pela solução demonstra o desejo de resolver o mal que os aflige.

Só que pedir ajuda ou orientação pela internet, digitando algumas dúzias de palavras, é fácil.

E não há soluções fáceis para problemas difíceis.

Problemas sérios exigem soluções sérias.

É preciso querer se ajudar.

É preciso deixar a preguiça, o medo, a inércia, o comodismo, a indiferença.

Problemas são oportunidades de crescimento.

É preciso, antes de mais nada, perceber algo que é óbvio, mas infelizmente ainda não é óbvio pra todos: O mundo não gira em torno de você.

As pessoas não são sua propriedade.

A Vida não existe para transarmos com todo mundo, prazer sexual não é amor, romantismo não é amor.

A ideia de que a nossa felicidade está na dependência de uma relação qualquer afasta qualquer possibilidade de bem-estar íntimo.

É importante ter alguém para dividir a passagem pela matéria.

A própria natureza, enquanto reencarnados, nos induz a isso, mas isso não é sinônimo de felicidade.

Ser feliz é um estado de ser que independe de fatores externos.

A preocupação quanto à vida amorosa ou sexual (que quase sempre se confundem) gera cada vez mais incertezas, produz desconforto com a situação vigente, faz a Vida perder o sentido.

A Vida é muito mais que isso.

A Vida é oportunidade de aprendizado, de disciplina, de autoconhecimento e de troca de conhecimentos e experiências.

Resumir a Vida a encontros e desencontros sexuais é voltar ao estágio animal.

Quem passa por problemas desse tipo e quer solução, deve buscá-la com todas as suas forças.

Se está lendo um artigo espírita é de se supor que seja simpatizante do Espiritismo, leia, estude, se esclareça, ore.

Ore várias vezes ao dia, faça disso um hábito.

Frequente uma Casa Espírita.

Procure um tratamento na Casa Espírita.

Procure participar de grupos de estudo na Casa Espírita, a troca de experiências é um dos aprendizados mais eficazes.

Pergunte-se acerca dos seus reais valores: O que você espera acrescentar nesta vida?

O que você pretende fazer para aproveitar a oportunidade da atual reencarnação?

Você já percebeu que sexo e atração física são fenômenos ilusórios e, portanto, passageiros?

Já se deu conta de que músculos e bundas caem, que rostinhos bonitos murcham, que o tesão acaba, que palavrinhas românticas só têm valor nos momentos fugazes de prazer?

Você não notou, ainda, que a consciência é o seu juiz, e que cobra você e continuará cobrando você sempre que você errar?

Não sabe que não há como ser feliz mentindo pra si mesmo, tentando enganar à própria consciência?

Ou você pensa que respeito, retidão de caráter, fidelidade, amizade, são apenas conceitos?

Ou acha que essas coisas são fruto de pregações religiosas atrasadas e conservadoras?

Está encrencado?

Quer viver em paz?

Mude!

Quando você muda, o mundo muda.

Pare de se queixar e de achar que a Vida é um complô contra você.

Há 7 bilhões de espíritos encarnados iguaizinhos a você.

Você acha que você merece uma “atençãozinha” especial de Deus?

Não sabe que não há privilégios na Lei divina?

Faça alguma coisa por si mesmo, torne-se uma pessoa melhor, deixe de pensar só em si.

Você irá se cobrar severamente se não mudar de atitude a tempo.

Você é o seu juiz e o seu estado de espírito de hoje, a maneira como você está se sentindo neste exato momento lhe responde como você vem agindo.

Fonte: Desconhecemos a autoria do texto.

Compartilhe
  • 7
    Shares

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

73 + = 82

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

RECEBA NOVOS TEXTOS POR E-MAIL

Quinzenalmente, enviamos um e-mail com os novos textos do site. Participe!

Temas das Publicações

Ajude-nos a divulgar nosso trabalho