Dores da Alma, Psicologia espírita

Necessidade dos momentos de reflexão em nossas vidas

0 281

A verdadeira natureza do homem, seu verdadeiro bem, sua verdadeira virtude e a verdadeira religião são coisas cujo conhecimento é inseparável.

Nem sempre a solidão pode ser encarada como dor ou insânia.

É, em muitas ocasiões, períodos de preparação, tempos de crescimento, convites da vida ao amadurecimento.

O âmago do ser está intimamente ligado ao bem, à virtude e à religião.

É justamente nas “épocas de solidão” que conseguimos a motivação necessária para estabelecer a verdade sobre esse fato.

Na solidão, é que encontramos sanidade para nosso mundo interior, respostas seguras que enfrentamos em nossa viagem terrena.

Nestes nossos apontamentos sobre a solidão, não estamos nos referindo à “tristeza de estar só”, mas sim, necessariamente, à “quietude íntima”, tão importante e saudável para que façamos um trabalho de autoconsciência, valorizando as nuances de nossa vida interior.

Muitos indivíduos vivem dentro de um ciclo diário estafante.

Realizam suas atividades num ambiente de competitividade, agitação, pressa e rivalidade, vivendo em constante tensão psicológica e, por consequência, alterando suas funções fisiológicas.

Por viverem em cansaço e desgaste contínuos, não conseguem fazer uma real interação entre o meio ambiente e seu mundo interno, ocasionando sérios problemas de convivência e inúmeros conflitos pessoais.

Nem sempre é possível abandonarmos a vida alvoroçada, os ruídos e as músicas estridentes, talvez seja até mesmo inviável, mas é perfeitamente realizável dedicarmos algum tempo à solidão, reiterando-nos para momentos de reflexão.

Nos instantes de silêncio, é onde exercitamos o aprendizado que nos levará a abrir um canal receptivo à Consciência Divina.

É nesse momento que ficamos cientes de que realmente não estamos sozinhos e que podemos entrar em contato com a voz da consciência.

A voz de Deus, por assim dizer, começará a “falar em nós”.

Inúmeras pessoas criam uma mente agitada por temerem que estão vazias, pensam não haver nada dentro delas que lhes dê proteção, apoio e segurança.

Acreditam que são uma casca que precisa exclusivamente de sustentação exterior.

Por isso, continuam ocupando a casa mental ansiosamente, obstruindo o acesso à luz espiritual.

A mente pode ser uma ajuda efetiva, ou mesmo um obstáculo ferrenho na escolha da melhor direção para atingirmos o amadurecimento íntimo.

A crença em nossa limitação é que faz com que limitemos nossa mente.

Isso se agrava ainda mais quando envolvemo-la no burburinho de vozes, no tumulto e na agitação do cotidiano, passando assim a não perceber o que está além de suas profundezas.

São muitos os caminhos de Deus e a solidão pode ser um deles.

“E saindo foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras e também os seus discípulos o seguiram”.

Jesus Cristo, constantemente, se retirava para a intimidade que o silêncio proporciona, pois entendia que a elevação de alma somente é possível na “privacidade da solidão”.

O Cristo Amoroso sabia que, quando houvesse silêncio no coração e no intelecto, se estabeleciam as bases seguras da relação entre a criatura e o Criador, proporcionando a percepção de que somos unos com a Vida e unos com todos os seres.

A Espiritualidade Maior entende que, nos retiros de tranquilidade, é onde criamos uma sustentação interior, a fim de sintonizarmos com as leis divinas e com os valores reais da consciência Cristã.

Ouçamos com os ouvidos internos, pois ninguém pode assimilar bem uma experiência que não provenha de sua própria orientação interior.

Ninguém é capaz de seguir sua verdadeira estrada existencial, se não refletir sobre sua essência.

Não encontraremos o caminho de que verdadeiramente necessitamos, se nós mesmos não o buscarmos, usando nossos inerentes recursos da alma para perceber as inarticuladas orientações divinas em nós.

Somente cada um pode interpretar as razões da Vida em si mesmo.

Adotemos o aprendizado com o Senhor Jesus, exemplificando no Horto das Oliveiras: retiremo-nos para um lugar à parte e cultivemos os interesses de nossa alma.

Se não encontrarmos um recanto externo que facilite a meditação, nem alguma paisagem mais afastada junto à natureza, onde possamos repousar da inquietação da multidão, mesmo assim poderemos penetrar o nosso santuário íntimo.

Sigamos o Mestre, recolhendo-nos na solidão e no silêncio do templo da alma, onde exclusivamente encontraremos as reais concepções do amor e da justiça, da felicidade e da paz, de que todos temos direito por Paternidade Divina.

Fonte: Livro “As Dores da Alma”, psicografia de Francisco do Espírito Santo Neto, pelo Espírito Hammed.

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

20 − = 10

RECEBA TEXTOS POR E-MAIL

Institucional

Todos os Temas

Ajude-nos a divulgar nosso trabalho