Reforma Íntima, Saúde

Tocou o alarme

0 149

Talvez a cegueira não passe de um pensamento escuro que pode ser dominado por um pensamento luminoso. Talvez um membro paralítico não signifique senão uma indolência que pode ser estimulada pela energia.

Gibran Khalil Gibran

Pense a respeito: a doença é o caminho da cura. Através dela reencontraremos a paz, a harmonia e o sentido da própria vida. Muitas vezes aprendemos as lições mais importantes da nossa existência pela via dos contrastes.

Raramente cuidamos da saúde quando tudo vai bem. Aliás, os momentos em que tudo parece correr bem são aqueles em que nos permitimos os maiores desequilíbrios. Na juventude, por exemplo, quando dispomos de uma saúde de ferro, acabamos praticando os maiores desequilíbrios, cujas consequências virão mais tarde, na meia-idade.

Deus criou mecanismos em nós para que, ao sinal de um desequilíbrio mais acentuado em nosso proceder, um alarme dispare para nos avisar do perigo que estamos passando.

A inteligência divina que habita nosso ser dispõe de uma série de mecanismos que visam manter o nosso equilíbrio. Por exemplo, o sono é o alarme avisando que seu corpo precisa de repouso. A fome é o alarme avisando que seu corpo carece de alimento. A febre é o alarme que anuncia alguma provável doença. Se não dispuséssemos desses avisos, não saberíamos quando deveríamos dormir, comer e combater a enfermidade, pondo em sério risco a nossa própria existência.

Quando soa um alarme de incêndio, medidas de emergência são tomadas para que o fogo não se alastre. Façamos o mesmo quando tocar o alarme da doença, a fim de que a enfermidade não ponha fogo no edifício da sua vida.

Fonte: extraído do livro “O Médico Jesus”, de José Carlos De Lucca. Editora InteLítera.

Compartilhe

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

+ 17 = 22

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Temas das Publicações