• Ciência e Religião, Mediunidade

    Mediunidade gratuita

    Os médiuns atuais – pois que também os apóstolos tinham mediunidade – igualmente receberam de Deus um dom gratuito: o de serem intérpretes dos Espíritos, para instrução dos homens, para lhes mostrar o caminho do bem e conduzi-los à fé, não para lhes vender palavras que não lhes pertencem, visto que não são fruto de suas concepções, nem de suas pesquisas, nem de seus trabalhos pessoais. Fazê-la paga seria, pois, desviá-la do seu providencial objetivo.

  • Ciência e Religião, Mediunidade

    Proposta aos que não crêem na comunicação dos espíritos

    Uma vez que os adversários do Espiritismo não acreditam na mediunidade e só aceitam apreciá-la com a ajuda das leis da ciência, solicitamos que provem, partindo da hipótese da existência e da sobrevivência da alma: 1) que o ser que pensa em nós durante a vida não pode mais pensar depois da morte; 2) que, se pensa, não deve mais pensar nos que amou; 3) que, se pensa nos que amou, não deve mais querer se comunicar com eles; 4) que, se pode estar em todos os lugares, não pode estar ao nosso lado; 5) que, se pode estar ao nosso lado, não pode comunicar-se conosco; Se isto for provado cientificamente, então poderemos dizer que sua negação tem fundamento.

  • Ciência e Religião, Mediunidade

    A mediunidade é uma faculdade latente em todos os indivíduos

    A mediunidade é uma faculdade que está latente em todos os indivíduos, podendo apresentar-se ou manifestar-se por vários modos, dependendo do estágio moral de cada médium. Allan Kardec sintetiza os médiuns em duas categorias: aqueles de efeitos físicos e aqueles de efeitos intelectuais. “Mediunidade não é pretexto para situar-se a criatura no fenômeno exterior ou no êxtase inútil, à maneira da criança atordoada no deslumbramento da festa vulgar. É, acima de tudo, caminho de árduo trabalho em que o espírito, chamado a servi-la, precisa consagrar o melhor das próprias forças para colaborar no desenvolvimento do bem” – Ensinamentos do Espírito Emmanuel, no livro “Mediunidade e Sintonia”, pelo médium Chico Xavier.

  • Ciência e Religião, Mediunidade

    O desejo de ser médium

    Se aspiras a colaborar na obra dos Espíritos Benevolentes e Sábios, colocando-te entre eles e os irmãos encarnados, é possível não possas de imediato, partilhar a sinfonia dos grandes feitos humanos, mas podes brilhar na tarefa mais alta de todas, a expressar-se no concerto do bem puro, consolando e construindo, amparando e esclarecendo, educando e amando…

    Para isso, porém, não basta o muito desejo…

  • Ciência e Religião, Mediunidade

    Pode a alma, depois da morte, manifestar-se aos vivos?

    A simples razão diz que nisto nada absolutamente há de impossível, o que já é alguma coisa. Demais, esta crença tem a seu favor o assentimento de todos os povos, porquanto com ela deparamos em toda parte e em todas as épocas. Ora, nenhuma intuição pode mostrar-se tão generalizada, nem sobreviver ao tempo, se não tiver algum fundamento. Saiba mais assistindo os vídeos com a entrevista de Ana Maria Braga com o médium Divaldo Franco.

  • Ciência e Religião, Mediunidade

    O que é mediunidade?

    A mediunidade é uma sensibilidade existente nos seres vivos. É uma espécie de “janela” pela qual se recebem as influências do plano espiritual. Toda criatura viva possui mediunidade ou ao menos seus rudimentos. Ela independe das condições morais do indivíduo. Há médiuns que a utilizam de forma incorreta e prejudicial a quem deles se serve. O bom ou mau uso dessa faculdade está relacionado ao maior ou menor grau de aprimoramento moral do indivíduo responsável por intermediar as comunicações entre o plano espiritual e o material.

RECEBA NOVOS TEXTOS POR E-MAIL

Quinzenalmente, enviamos um e-mail com os novos textos do site. Participe!

Ajude a divulgar Um Caminho

Temas das Publicações