• Doutrina Espírita, Princípios espíritas

    O Livro dos Espíritos

    A razão nos diz que um efeito inteligente deve ter como causa uma força inteligente. E os fatos provaram que essa força pode entrar em comunicação com os homens, através de sinais materiais. Desta maneira é que foi revelado “O Livro dos Espíritos”, organizado por Allan Kardec, escrito por ordem e sob ditado dos Espíritos superiores para estabelecer os fundamentos de uma filosofia racional. Nada contém que não seja a expressão do pensamento dos Bons Espíritos.

  • Líderes Espirituais, Moisés

    Moisés, Jesus e o Espiritismo

    Os mandamentos de Deus, dados por intermédio de Moisés, contêm o gérmen da mais ampla moral cristã. A moral que Moisés ensinou era apropriada ao estado de adiantamento em que se encontravam os povos que ela se propunha regenerar, e esses povos, semi-selvagens quanto ao aperfeiçoamento da alma, não teriam compreendido que se pudesse adorar a Deus de outro modo que não por meio de holocaustos, nem que se devesse perdoar a um inimigo. Já o Cristo foi o iniciador da mais pura, da mais sublime moral, da moral evangélico-cristã, que há de renovar o mundo. E o Espiritismo é a alavanca de que Deus se utiliza para fazer que a Humanidade avance.

  • Consolador Prometido, Doutrina Espírita

    Consolador Prometido por Jesus

    Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei a meu Pai e ele vos enviará outro Consolador, a fim de que fique eternamente convosco: – O Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque o não vê e absolutamente o não conhece. Mas, quanto a vós, conhecê-lo-eis, porque ficará convosco e estará em vós. -Porém, o Consolador, que é o Santo Espírito, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará recordar tudo o que vos tenho dito. (S. JOÃO, cap. XIV, vv. 15 a 17 e 26.)

  • Allan Kardec, Doutrina Espírita

    Codificador do Espiritismo – Quem foi Allan Kardec?

    Filho de pais católicos, Allan Kardec foi criado no Protestantismo, mas não abraçou nenhuma dessas religiões, preferindo situar-se na posição de livre pensador e homem de análise. O excessivo simbolismo das teologias e ortodoxias, tornava-o incompatível com os princípios da fé cega. Allan Kardec iniciou sua observação e estudo dos fenômenos espíritas, com o entusiasmo próprio das criaturas amadurecidas e racionais, mas sua primeira atitude é a de ceticismo: “Eu crerei quando vir, e quando conseguirem provar-me que uma mesa dispõe de cérebro e nervos, e que pode se tornar sonâmbula; até que isso se dê, dêem-me a permissão de não enxergar nisso mais que um conto para provocar o sono”. (ao final da íntegra do texto, assista vídeo sobre Allan Kardec)

RECEBA TEXTOS POR E-MAIL

Institucional

Todos os Temas

PRODUTOS DIGITAIS SUGERIDOS