Carma, Divulgação do Espiritismo

Uso da expressão “karma”

0 193

Interessante perceber como é corriqueiro em nossa cultura o uso da expressão karma.

Basta alguém em dificuldade, passando por algum problema maior ou frequente, e estamos a dizer: Deve ser seu karma.

Doutra feita, para simbolizar algo definido pela Providência Divina, inevitável ou incontornável, novamente vem a expressão: Isto é meu karma.

Percebemos que temos, intuitivamente, a ideia de que nossas vidas se entrelaçam, nos processos da reencarnação.

Se há um karma, é porque houve um momento em que a ação ocorreu, e se não foi nesta vida, outras vidas existiram.

Muito embora a expressão tenha origem nas doutrinas espiritualistas orientais, adaptou-se com facilidade na cultura popular.

Assim, sem erro, percebemos que alguns acontecimentos de nossa vida têm por origem e explicação ações realizadas em outras existências.

É natural que assim seja.

Como retornamos à vida física inúmeras vezes, as consequências do que fizermos em uma existência, se apresentarão nas seguintes.

Essas consequências poderão ser coerentes com as leis da vida, as leis de amor.

Por outro lado, se aquilo que depositamos em nosso coração é contrário às leis do Pai Celeste, se diverge da essência amorosa que existe em todos nós, precisaremos, em momento oportuno, desvincularmo-nos de tal carga.

Como somos livres para agir, muitas vezes nossas ações não estão de acordo com a proposta da vida.

Agimos com desamor a nós mesmos ou ao próximo, por incompreensão ou imaturidade.

Por isso, a vida torna a nos oferecer oportunidade de reflexão e aprendizado.

Ela nos dá a chance de retomarmos situações, reencontrarmos pessoas, refazermos caminhos.

A dinâmica da Lei de Deus é pautada na bondade e na justiça.

Assim, a todo momento, entendendo o erro praticado, arrependendo-nos do desacerto cometido, há a oportunidade de refazimento.

Porém, a bondade Divina espera o momento mais propício, onde a maturidade e o entendimento se façam para que possamos devolver à vida o que dela usurpamos.

Portanto, o que nos ocorre, hoje, muitas vezes tem origem em um passado distante.

Mas, será sempre o vínculo nosso com os débitos computados na contabilidade Divina.

Dessa forma, não há injustiça.

O que nos acontece e classificamos como injusto, é conclusão de uma visão limitada perante o fato.

Tudo que nos ocorre é, na verdade, a justiça Divina nos oferecendo a chance de resgatar o passado delituoso, os erros de outrora.

Por isso, quando os desafios nos chegarem, quando as dores, amarguras e aflições nos visitarem, tenhamos em mente que são convites da vida para o ressarcimento.

Que as enfrentemos com coragem, dinâmica resignação, a fim de que a lição incompreendida de outrora se torne o aprendizado definitivo.

Assim agindo, quando logo mais, de retorno à pátria espiritual, conseguiremos apreender mais lucidamente que, mesmo na aparente injustiça, sempre brilha a bondade Divina.

Fonte: Redação do Momento Espírita, página “Discípulos de Allan Kardec”, no Facebook.

About the author / 

Editor

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

÷ 1 = 5

RECEBA NOVOS TEXTOS POR E-MAIL

Quinzenalmente, enviamos um e-mail com os novos textos do site. Participe!

Temas das Publicações

Ajude-nos a divulgar nosso trabalho