Arquivo da categoria: Doutrina Espírita

pastor

O Mestre precisa crescer em teus atos

Na propaganda eficaz

“É necessário que ele cresça e que eu diminua.” – João Batista. (João, 3:30.)

Há sempre um desejo forte de propaganda construtiva no coração dos crentes sinceros.

Confortados pelo pão espiritual de Jesus, esforçam-se os discípulos novos por estendê-lo aos outros. Mas, nem sempre acertam na tarefa. Muitas vezes, movidos de impulsos fortes, tornam-se exigentes ou precipitados, reclamando colheitas prematuras.

O Evangelho, porém, está repleto de ensinamentos nesse sentido.

A assertiva de João Batista, nesta passagem, é significativa. Traça um programa a todos os que pretendam funcionar em serviço de precursores do Mestre, nos corações humanos.

Não vale impor os princípios da fé.

A exigência, ainda que indireta, apenas revela seus autores. As polêmicas destacam os polemistas…

As discussões intempestivas acentuam a colaboração pessoal dos discutidores. Puras pregações de palavras fazem belos oradores, com fraseologia preciosa e deslumbrantes ornatos da forma.

Claro que a orientação, o esclarecimento e o ensino são tarefas indispensáveis na extensão do Cristianismo, entretanto, é de importância fundamental para os discípulos que o Espírito de Jesus cresça em suas vidas. Revelar o Senhor na própria experiência diária é a propaganda mais elevada e eficiente dos aprendizes fiéis.

Se realmente desejas estender as claridades de tua fé, lembra-te de que o Mestre precisa crescer em teus atos, palavras e pensamentos, no convívio com todos os que te cercam o coração. Somente nessa diretriz é possível atender ao Divino Administrador e servir aos semelhantes, curando-se a hipertrofia congenial do “eu”.

Fonte: extraído do livro “Vinha de Luz”, de Francisco Cândido Xavier, pelo espírito Emmanuel. Federação Espírita Brasileira.

001_chicoxavier

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente

“Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO, mesmo eu sabendo que as rosas não falam. Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro que nos espera não é assim tão alegre.

Que eu não perca a vontade de VIVER, mesmo sabendo que a vida é, em muitos momentos, dolorosa… Que eu não perca a vontade de ter grandes AMIGOS, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas…

Que eu não perca a vontade de AJUDAR as pessoas, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir esta ajuda. Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia.

Que eu não perca a VONTADE de amar, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo, pode não sentir o mesmo sentimento por mim… Que eu não perca a LUZ e o BRILHO no olhar, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo, escurecerão meus olhos…

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda são dois adversários extremamente perigosos. Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas.

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu. Que eu não perca o meu forte ABRAÇO, mesmo sabendo que um dia meus braços estarão fracos… Que eu não perca a BELEZA e a ALEGRIA de ver, mesmo sabendo que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma…

Que eu não perca o AMOR por minha família, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia. Que eu não perca a vontade de doar este enorme AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado.

Que eu não perca a vontade de ser GRANDE, mesmo sabendo que o mundo é pequeno… E acima de tudo… Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente, que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois…. a vida é construída nos sonhos e concretizada no amor!”

Chico Xavier

Como o espiritismo era visto no século XIX

Livro “O Testemunho dos Sábios”

Em seu novo romance, Rafael Figueiredo, inspirado por Frei Felipe,  conduz o leitor a vivenciar os primórdios do desenvolvimento do Espiritismo, no final do século XIX.

 

Os protagonistas são o médico Edouard e sua esposa Elizabeth entram em contato com eventos sobrenaturais que os levam a uma transformação interna, capaz de ampliar seus horizontes adquirindo novas responsabilidades que contribuem  desenvolvimento espiritual.

Numa sociedade britânica dominada basicamente pelo protestantismo, os estudos sobre a vida após a morte apresentavam para o mundo novas perspectivas sobre a existência humana. Porém guerras e revoluções modificam o roteiro da história, levando os personagens a experiências até então inexplicáveis.

O leitor pode identificar situações nas quais o preconceito vindo tanto de filósofos positivistas quanto de religiosos, que acreditavam que o espiritismo era uma agressão contra seus ideais e roubaria fieis de suas igrejas. Além das cenas do embate filosófico-religioso, o livro conduz ao contexto da Primeira Guerra Mundial, a qual o protagonista vivenciou e serviu como médico, demonstrando a importância do evento que modificou o futuro da Doutrina.

Assim como em Do Século das Luzes, também publicado pela editora Boa Nova, O Testemunho dos sábios é capaz de emergir no passado apresentando detalhes da sociedade da Londres do século XIX, durante a Revolução Industrial, em que a pesquisa cientifica e as economias efervesciam a metrópole – considerada a época, a capital do mundo. Em menos de duas semanas de lançamento, o livro já vendeu mais de 15 mil exemplares.

Mais informações:

Barbara Ataide – barbara@liliancomunica.com.br

(11) 2275-6787/(11) 9-5798-0005

Lilian Comunica – Assessoria de Imprensa

Curta a fan page da LC e acompanhe as novidades! www.liliancomunica.com.br/

Arcanjos

Os Arcanjos não dormem

“Com o auxílio das forças superiores que emanam do plano espiritual, nos postamos diante de Deus Pai Misericordioso como forma de agradecimento por todas as graças concebidas pelo Criador enquanto nos permite instruir a todos aqueles que se mostram curiosos e abertos a receber a palavra de Deus.

Com o início dos tempos difíceis pelos quais estamos a passar, muitos de nós se perguntam se os Arcanjos Celestiais estariam alheios aos acontecimentos do plano carnal, no entanto, não temam as provações que lhes são apresentadas.

Os Arcanjos não dormem, apenas experimentam o silêncio, para que possa se seguir o plano de Deus, e todas as provas possam ser transpostas por aqueles que rogam a elevação moral e o aprimoramento de suas faculdades mediúnicas.

Não se perturbem com a dor e o sofrimento que transborda a via deste ou daquele grupo de irmãos, tudo foi predestinado pelo Criador, e mesmo a dor, Dele emana, para poder tornar mais fortes e atentos aqueles que se comprometeram com a aceitação e a reconstrução das vidas e dos laços de afinidade ansiados pelo Senhor numa instância superior.

Sofrer e vigiar são obrigações com que todos se comprometeram, não sendo correto que se espere da vida terrestre apenas recebimento de bônus que nunca foram acumulados. Se encontram-se nesta dimensão é para a experimentação do amor divino frente às vicissitudes da encarnação.

A comoção é um sentimento glorioso, mas não redime pecados, e não eleva almas, o trabalho diário é que tem a capacidade de auxiliar no enobrecimento espiritual das almas.

Tomem seus lugares de trabalho junto a seus irmãos mais adiantados, arregacem as mangas, mostrem a que vieram, coloquem em prática as lições aprendidas com o Nosso Senhor, e desde já, transformem a coletividade que os cerca.

Chega de chorar e entregar as dores aos Arcanjos Celestiais, que são acusados de não rogarem por vós, assumam vossos papéis de atividade e transformação, mostrem a que vieram, façam da terra um plano elevado de amor, pratiquem a caridade, erradiquem o desrespeito, reconstruam vossos lares e ganhem o mundo.

O Senhor precisa da força, fé e confiança de todos vós, não deixeis que as obras celestiais fiquem a cargo apenas dos Arcanjos do Pai, se juntem a eles e transformem não só as vossas vidas, mas toda a ordem dos mundos, que têm como perspectiva a alteração de suas esferas e o aprimoramento moral de cada um de seus habitantes, e que, a seu cargo e hora, possibilitará à Terra, um dia, ser um reino de paz e união. O que ocorrerá somente quando estes que ainda a habitam forem capazes de se doar ao trabalho do Senhor, e deixar de atribuir aos Arcanjos as dores pungentes e necessárias à evolução de todos os corações que aqui ainda batem.

Que esteja convosco a força do Senhor Deus, e que a coragem da luta diária inunde vossos corações. Todo aquele que oferece seu trabalho ao Senhor experimenta o carinhoso afago de Deus e por nenhum segundo passa a duvidar da vigília dos Arcanjos de Deus. Por toda sorte, compreende que as dores são necessárias, e que só a morte poderá cessar as perturbações inerentes a este mundo carnal. Esta é a hora de experimentar vossos espíritos e deixar que o amor de Deus inunde seus corações, facilitando assim que reconheçam o caminho certo a ser transposto para a elevação de vossos espíritos.

Estejais certos irmãos, sem trabalho e sofrimento não há salvação para este plano, Deus precisa que confies mais em vós mesmos e em suas próprias realizações.

Os Arcanjos nunca deixarão de zelar por vós, estejais certos.

Com pensamento elevado a Jesus vos deixo a exaltação do trabalho e o pedido do exercício da caridade contínua, e agradeço em nome de Jesus por vossa compreensão.

Abençoados sois vós que confiais nos ensinamentos de luz e amor.

Amém.”

(Mensagem psicografada em 29/01/2013, por Tássia Beatriz, em Centro Espírita Vale do Sol, por espírito não identificado.)