Arquivo da categoria: Doutrina Espírita

andre luiz

Os guias espirituais têm uma parte ativa na tarefa de nossa iluminação pessoal?

Os guias espirituais têm uma parte ativa na tarefa de nossa iluminação pessoal?

- Essa colaboração apenas se verifica como no caso dos irmãos mais velhos, ou dos amigos mais idosos nas experiências do mundo.

Os mentores do Além poderão apontar-vos os resultados dos seus próprios esforços na Terra, ou, então, aclarar os ensinos que o homem já recebeu por meio da misericórdia do Cristo e da benevolência dos seus enviados, mas em hipótese alguma poderão afastar a alma encarnada do trabalho que lhe compete, na curta permanência das lições do mundo.

Que dizer de um professor que decifrasse os problemas comuns para os alunos?

Além disso, os amigos espirituais não se encontram em estado beatífico. Suas atividades e deveres são maiores que os vossos. Seus problemas novos são inúmeros e cada Espírito deve buscar em si mesmo a luz necessária à visão acertada do caminho.

Trabalhai sempre. Essa é a lei para vós outros e para nós que já nos afastamos do âmbito limitado do círculo carnal. Esforcemo-nos constantemente.

A palavra do guia é agradável e amiga, mas o trabalho de iluminação pertence a cada um. Na solução dos nossos problemas, nunca esperemos pelos outros, porque, de pensamento voltado para a fonte de sabedoria e misericórdia, que é Deus, não nos faltará, em tempo algum, a divina inspiração de Sua Bondade infinita.

Fonte: extraído do livro “O Consolador”, de Francisco Cândido Xavier, pelo espírito Emmanuel. Federação Espírita Brasileira.

Como se dá a escolha de nossas provas?

Neste áudio, extraído do Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, encontramos as orientações da espiritualidade amiga sobre o período da erraticidade, ou seja, o intervalo entre uma encarnação e outra, quando o espírito tem a possibilidade de rever toda sua trajetória, compreender seus erros e acertos até ter a oportunidade de planejar uma nova encarnação para seu resgate cármico através de úteis provações.

Dúvidas dos leitores – Se nada é por acaso, tudo está escrito?

Dúvida:

De acordo com a Doutrina Espírita, nada é por acaso. Sendo assim podemos entender que tudo que acontece em nossa vida já estava escrito para acontecer? Encontros, desencontros, relacionamentos, separações…

Resposta:

Primeiro, cabe-nos esclarecer que o fato de “nada ser por acaso”, não significa que “tudo está escrito”.
Antes de reencarnarmos, é traçado, junto à espiritualidade superior, um planejamento de nossa nova encarnação. Neste planejamento são definidos os tipos de provas e expiações a que devemos nos submeter para conquistarmos nossa evolução.

Afinal, o progresso só se dá diante das dificuldades e da superação destas. Sem isso, o ser humano tende, por natureza, a ficar estagnado em sua zona de conforto.

Quanto mais espiritualizados e evoluídos nós tivermos sido nas encarnações anteriores, mais podemos participar deste planejamento reencarnatório e normalmente temos mais provas do que expiações a enfrentar. Provas são dificuldades que nos fazem crescer. Expiações são o efeito cármico de nossas faltas no passado. Ou seja, é aquele tipo de sofrimento que temos que passar para aprender como dói o que fizemos a outrem.

No entanto, embora haja um plano, ao reencarnarmos recebemos a dádiva do esquecimento de nossas vidas passadas. Para que possamos enfrentar tudo a partir do aqui e agora e contando sempre com o nosso livre arbítrio para fazer nossas escolhas. Em outras palavras, nós podemos, sim, nos desviar do nosso planejamento.

E é comum isso acontecer, pois ao reencarnarmos somos sempre seduzidos pela matéria e nem sempre nossas escolhas são as melhores e as mais relacionadas com nosso plano.

É aí que entra a importância de estarmos com nosso canal intuitivo bem arejado, para podermos receber os insights de nosso anjo da guarda. Ele tem a linda missão de nos auxiliar a nos mantermos fiéis ao nosso plano reencarnatório. Mas se a gente não desenvolve a intuição para nos relacionarmos com nossos amigos espirituais, invariavelmente nos desviamos do caminho que nos trazem as provas e oportunidades de progresso moral e espiritual, que nem sempre estão relacionadas com o progresso material.

O “nada é por acaso” se aplica totalmente às situações que a vida nos apresenta, sempre com o intuito de nos aproximarmos do plano que foi traçado para nosso progresso. Mas caberá sempre a nós prestar a atenção aos sinais que a vida nos dá e sobre o quanto de aprendizado há em cada situação, relacionamento, experiência que vivenciamos.
E quanto mais sintonizados com nosso anjo da guarda, mais próximo estaremos da execução de nosso plano de vida.

Para isso, é preciso seguirmos os conselhos do Mestre que sempre nos disse: “quem tem olhos de ver, veja; quem tem ouvidos de ouvir, ouça”.

É preciso se manter vigilante

Quando reencarnamos, trazemos em nosso inconsciente um plano firmado junto à espiritualidade superior para que nossa nova existência nos proporcione a evolução moral de que necessitamos. Neste planejamento estão inseridos os tipos de provas e expiações a que deveremos nos submeter. Mas nada, contudo, nos impede de usarmos o nosso livre arbítrio. O problema do livre arbítrio é quando o utilizamos de forma a nos desviar do nosso plano reencarnatório. Por essa e outras razões, Jesus nos orientou: “orai e vigiai”.

Veja a psicografia que recebemos sobre este tema:

“Em nome de Jesus, por um minuto, todos aqueles que desejarem renascer por observação e vivência das orientações conclamadas pelos amigos espirituais do plano superior, peço que se reúnam consigo mesmos e tomem as lições espirituais como exemplos do que se deve ser praticado no dia-a-dia do plano terrestre.

As obrigações que o espírito contrai no plano superior não podem ser postas de lado quando do seu aprisionamento na matéria. É preciso se manter vigilante, a desconexão com o plano astral permite o desvio das missões e o fracasso das empreitadas já postas.

Seria infundado deixar encarnar um espírito despreparado para sua missão pois estejais certos de que se tendes a missão e porque sois capaz de realizá-lo com dignidade e elevação. O obstáculo não será maior que a passada de seus pés.

Quando fraquejardes, eleves o pensamento a Jesus, e peça aos mentores espirituais que lhe possibilitem o alívio e discernimento necessários à retomada do compromisso a que vieram fadados.

A desistência é a repetição do erro, e jamais levará à evolução!”

Mensagem psicografada por Tássia Beatriz em 17/01/2013, em Centro Espírita Vale do Sol