• Psicologia espírita, Reflexões

    Casamento e companheirismo

    Em verdade, o que mantém o matrimônio não é o prazer sexual, sempre fugidio, mesmo quando inspirado pelo amor, mas a amizade, que responde pelo intercâmbio emocional através do diálogo, do interesse nas realizações do outro, na convivência compensadora, na alegria de sentir-se útil e estimado. Todo compromisso afetivo, portanto, que envolve dois indivíduos, torna-se de magna importância para o comportamento psicológico de ambos.

  • Psicologia espírita, Reforma Íntima

    Não julgue as falhas alheias

    Em termos de psicologia profunda, a questão do julgamento das faltas alheias constitui um grave cometimento de desumanidade em relação àquele que erra. O julgamento pessoal, que ignora as causas geradoras dos problemas, demonstra o primitivismo moral do homem ainda “lobo” do seu irmão. Jesus sempre foi severo na educação dos julgadores da conduta alheia.

RECEBA TEXTOS POR E-MAIL

Institucional

Todos os Temas